Junho: mês de gastronomia afetiva, ingredientes tradicionais e harmonização com cervejas


Hoje considerada uma festa popular, teve origem nos países europeus, onde
populações pagãs agradeciam aos deuses e comemoravam a colheita de grãos e cereais nessa época do ano – relativa ao verão no hemisfério norte. Mais tarde, no século XVI, os colonos portugueses trouxeram a tradição para o país, naquele momento já conectada ao culto de santos da igreja católica. Estamos falando da Festa Junina, que desde então, os brasileiros não ficam sem, principalmente por causa da lembrança gastronômica regional e afetiva.


Arroz doce, pinhão, cuscuz, pamonha, vinho quente, paçoca e quentão são os pratos típicos deste período. Ainda que tenham diferenças regionais, alguns ingredientes como cravo, canela, milho, doce de leite, coco e amendoim estão presentes de norte a sul do Brasil e fazem toda a diferença na culinária assim como nas cervejas. Em 2019, por exemplo, nós – Dogma – e a 5 Elementos produzimos uma cerveja colaborativa chamada The Fattest Pepo, uma Imperial Stout que levava canela, amendoim e baunilha e harmonizava perfeitamente com canjica doce.


Diversos fabricantes de cervejas têm usado a criatividade e incorporado elementos em suas receitas, desenvolvendo cervejas ousadas e altamente
gastronômicas. Adicionar especiarias a cerveja é algo complexo que os cervejeiros brasileiros estão fazendo muito bem – lembrando que por vezes os próprios ingredientes básicos podem trazer perfil sensorial que remetem a estes pratos típicos (fica a ideia e o desafio).

Harmonização com pratos típicos juninos
Para harmonizar comida com cerveja é importante seguir alguns passos,
começando por entender a intensidade da comida com a bebida, depois, procurar elementos que “exploram o mesmo campo do sabor”, Ronaldo Morado (2017, p306). Comida de festa junina geralmente são quentes e encorpadas para causar a sensação de aquecimento e acolhimento, sendo assim, pedem cervejas mais robustas e alcoólicas.


Entendido a potência da comida, procure perceber os condimentos e temperos presentes no prato, assim como suas texturas. Busque cervejas que tenham sabores em comum com o alimento ou que possuam determinado elemento para quebrar algo que excede no prato. Exemplos: Harmonização por semelhança, cerveja de estilo Robust Porter com Cocada. Harmonização por corte, cerveja de estilo Oatmeal Stout com Pamonha.

Sugestão de harmonização junina:
Dogma Hamurabi, de estilo India Pale Lager – 4,9%, harmonizando com pipoca.
Dogma Rest in Pilz, de estilo Czech Pils – 5,3%, harmonizando com milho verde.
Dogma Goldenlicious, de estilo Golden Ale – 5,1%, harmonizando com cuscuz paulista com sardinha.

Dogma Hop Little Lover, de estilo Session IPA – 4,2%, harmonizando com cachorro quente.
Dogma Red Eye, de estilo American Rye Amber Ale – 5,1%, harmonizando com buraco quente.
Dogma Sourmind frutas vermelhas, de estilo Berliner com suco de frutas vermelhas –5,3%, harmonizando com cuscuz doce nordestino.
Dogma From Rejection to Oblivion, de estilo Robust Porter – 5%, harmonizando com bolo de fubá recheado de goiabada.
Dogma Pantagruel, de estilo Barley Wine – 14,3%, substituindo o vinho quente e o quentão e aproveite o arraial!

Referências:
https://www.df.senac.br/faculdade/origem-da-festa-junina/
https://paoecerveja.uai.com.br/novidade/cervejaria-investe-em-rotulos-especiais-para-as-festas-juninas/
Larousse da cerveja / Ronaldo Morado. – São Paulo: Alaúde Editorial, 1ª Edição, 2017.